top of page

O signo da Virgem e Robert Crumb




Nervoso.


Sim, Virgem é um signo nervoso, segundo a nomenclatura antiga.


Mas o que isso quer dizer?


Isso quer dizer isso mesmo: nervoso. Um ser ansioso, vamos dizer assim.


Virgem também é prestativo, útil, concentrado. Seus filhos são atentos ao outro, ao trabalho que ocupam, ao detalhe. E preferem trabalhar sozinhos.


O desenhista, por exemplo, com suas apuradas técnicas e instrumentos, é um exemplo deste princípio. O garçom, outro exemplo.


Servir é uma arte discreta. E não há nada pior que um garçom egocêntrico.


Ser discreto é uma qualidade de Virgem. Para alguns, um inferno:


“Ô Geraldo, vem dançar aqui com a gente, vem Geraldo?!”


“Não vou, não quero, fica todo mundo olhando, todo mundo reparando.” (Grupo Rumo - https://youtu.be/MkObxs8yruA )


Lembro de Robert Crumb, no seu documentário, lembrando que quando encontrou Janis Joplin, ela pedia a ele:


“Ô Robert, que tal uma calça boca de sino, deixar o cabelo crescer… tu tá muito caretão!"


Crumb, com sua roupa cinza, careta, um genuíno uniforme, não entendia qual era o problema nela. Sempre a usou. Outro que usa uniforme, sempre a mesma roupa, é o Arnaldo Antunes, um virginiano.


Por que precisava deixar o cabelo crescer? Para ser loucão?


Bem, Crumb deve ter pensado: “Woodstock não conhece a minha família!!!”


Tem algo em Virgem a pulsão de viver sozinho, puro, isolado do entorno.


Crumb não mudou suas roupas, mas tomou uns ácidos na ocasião. Coisa que mudou muito o seu trabalho. Mas continuou sendo um artista detalhista, talentoso, incansável, solitário, o mesmo homem que mudou a história dos quadrinhos e tinha, teve, e tem, horror ao culto da celebridade.


“Ô Geraldo… ”


Desenhar é mais um trabalho como qualquer outro, deve ter pensado, virginianamente, na ocasião.


Seguramente menos fundamental do que o trabalho do lixeiro, deve ter acrescentado na sua consideração.


Angeli, outro virginiano, não seria ninguém sem ter sugado como um vampiro a veia de Crumb.


Angeli tem uma série chamada, se não me engano, de tipos urbanos. Crumb desenhava estes tipos. Sua inspiração era a própria rua. Assim como a do Angeli.


Detalhes da jaqueta de um rocker, o brinco de um hippie, a tatuagem de uma junkie. Observando. Apropriando do que lhe gritava a atenção. Assim eles compõem seus personagens. Apreendendo a realidade, louca e multifacetada por si só.


Em ambos, lá está Virgem: na ocupação do detalhe que, ao passar do tempo, torna-se uma coleção de traços obsessivos;

Virgo no humor ácido, cirúrgico, tiro certeiro (o que são os cartuns políticos do Angeli?);

na retratação da vida como ela é, mundana, essencialmente mundana, sem mistérios ou misticismos;

a crítica, sempre a crítica, ou para usar uma linguagem alquímica, o depuro, o depuro sempre.


Em Crumb, uma obsessão a mais: mulheres gigantes ao lado de homens pequeninos.

Isso ocorre como uma praga nos homens virginianos. No imaginário dos seus filhos, uma mãe, gigantesca, onipresente, terrível.


Em outras palavras: uma mãe que não deixou seu filho errar e se sujar.


Desenhar a mulher, em suas mais diferentes formas, foi a maneira que Crumb achou para dominá-la, vencê-la, expurgá-la, exorcizá-la, amá-la..."


João Acuio


(Este texto foi publicado em 2001, no então blog Num Dia de Júpiter, Na Hora de Marte).

88 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Marte em Peixes

Três faces de Marte em Peixes

Comments


bottom of page